sábado, 18 de novembro de 2017

Comparação entre as correntes: pulsada bidirecional e Russa em relação ao conforto

A estimulação elétrica neuromuscular (EENM) refere-se ao estimulo elétrico aplicado de forma terapêutica sobre o tecido neuromuscular, através do sistema nervoso periférico preservado. Qualquer corrente elétrica que permite ajustar os parâmetros para gerar um potencial de ação na fibra motora pode ser chamada de corrente excitomotora. São exemplos, as corrente pulsada bidirecional, corrente Aussie, Russa e interferencial. A corrente pulsada bidirecional é definida como de baixa frequência (1Hz a 200 Hz) e as demais citadas são correntes alternadas de média frequência (1.000Hz a10.000Hz).
Os principais objetivos da EENM são: manutenção do trofismo muscular e da amplitude de movimento, ganho de força e treinamento funcional. 

Exemplo de estimulação elétrica do músculo quadríceps femoral
(Técnica bipolar)

Perante o exposto, Brasileiro et al. (2000) realizou um estudo com objetivo de comparar a capacidade de geração de torque e do conforto sensorial das correntes de baixa e média frequência aplicadas sobre o músculo quadríceps femoral. Dezoito indivíduos, do sexo masculino, saudáveis, com idade entre 19 e 25 anos, participaram do experimento.
Os indivíduos foram submetidos a um único teste. O dinamômetro isocinético computadorizado foi utilizado para avaliar a capacidade de geração de torque através da realização de contrações isométricas voluntárias do quadríceps femoral direito em um ângulo de 60 graus de flexão do joelho.
Cada individuo foi submetido a dois tipos de EENM (correntes de baixa frequência e média frequência), que foram aplicadas primeiro isoladamente e depois associado a contração voluntaria máxima. O torque induzido eletricamente em cada uma das situações foi registrado pelo dinamômetro isocinético e o desconforto sensorial associada a cada um dos seus protocolos de estimulação foi avaliado através da escala visual analógica (EVA). 


As correntes e os parâmetros utilizados no estudo estão representados na tabela abaixo:










As correntes foram transmitidas através de um único canal de saída, bifurcado com dois cabos isolados de 1,20 metros de comprimento, os eletrodos utilizados foram autoadesivos com dimensões idênticas de 8 × 12 cm, sendo fixados um no triângulo femoral onde se localiza à saída do nevo femoral e o outro na parte distal do músculo quadríceps, 5 cm acima da borda suprapatelar. 

Conclusões do estudo

- Não houve diferença entre a capacidade de geração do torque produzido pelas correntes pulsada bidirecional e Russa.
- Entre as formas do EENM não existe uma que possa ser considerada como mais confortável.
- Os autores reforçam que essas conclusões são limitadas à estimulação de indivíduos saudáveis que não têm problemas com o desempenho muscular. Portanto, outros estudos comparativos sobre o EENM para o fortalecimento devem ser realizados, principalmente em populações de pacientes com déficit de força muscular.

Referências Bibliográficas:
Thiago Fukuda. Disponível em: http://www.thiagofukuda.com/uso-da-eletroestimulac%CC%A7a%CC%83o-neuromuscular-em-fisioterapia
Brasileiro, J., S., etc al.  Estudio comparativo entre la capacidad de generación de torque y la  incomodidad sensorial producidos por dos formas de estimulación eléctrica neuromuscular  en sujetos sanos. São Paulo, Revista Iberoam Fisioterapy Kinesiology 2000;3(2):00-00

Robinson, A., J.; Snyder-Mackler, L. Clinical Electrophysiology: electrotherapy and electrophysiologic. 2ª ed. Baltimore, Editora Lippincott Williams & Wilkins.

30 comentários:

  1. Excelente explicação, simples e direta! Parabéns pelo trabalho

    ResponderExcluir
  2. Ficou excelente o trabalho! Vocês estão de parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Excelente assunto abordado, as vezes geram duvidas sobre as duas corrente para saber sobre sua aplicação conforto. Parabéns alunos pelo trabalho realizado.

    ResponderExcluir
  4. Muito interessante.Amei o tratamento que fiz uma vez com correte russa .

    ResponderExcluir
  5. Achei interessante a comparação entre as duas correntes

    ResponderExcluir
  6. Excelente trabalho! Ótima abordagem do assunto, parabéns!

    ResponderExcluir
  7. Muito bom o assunto abordado,já passei por este tratamento e foi bem eficaz...

    ResponderExcluir
  8. Interessante o assunto abordado, muito bem explicado.
    Parabéns pelo trabalho.

    ResponderExcluir
  9. Excelente abordagem, a explicação ficou bem direta. Parabéns!!!!

    ResponderExcluir
  10. Excelente trabalho. Consegui entender de forma simples e fácil sobre as duas correntes. Parabéns aos alunos.

    ResponderExcluir
  11. Muito bom, estão de parabéns pelo trabalho realizado.

    ResponderExcluir
  12. Um trabalho interessante e bem organizado. É claro e didático, atendendo pessoas que não são da área mas têm interesse no assunto.
    Parabéns aos alunos.

    ResponderExcluir
  13. Excelente trabalho,perfeito. Parabéns!

    ResponderExcluir
  14. MUITO BOA A MATÉRIA. DADOS MUITO INTERESSANTES.

    ResponderExcluir
  15. Lucia nardelli de assis20 de novembro de 2017 18:21

    Não sou profissional da área mas o texto está bem elaborado e de correto entendimento. Parabéns!

    ResponderExcluir
  16. De fato a abordagem seguida. Melhora a a resposta ao cuidados oferecidos. Parabéns a equipe.

    ResponderExcluir
  17. Trabalho muito bem feito. Ficou claro e didático, facilitando a compreensão de quem não é da área mas possui interesse no tema.
    Parabéns.

    ResponderExcluir
  18. Achei interessante a comparação. Parabéns pelo texto.

    ResponderExcluir
  19. Claro e explicativo.
    Gostaria de saber , quando forem realizados , os resultados da EENM em pacientes com deficit de força muscular como forma de tratamento .

    ResponderExcluir
  20. To com uma entorse de tornozelo grau 2. Alguma destas correntes pode ser usada no tratamento? Se sim, tem alguma corrente desta que é mais confortável?

    ResponderExcluir
  21. Excelente abordagem, texto muito elucidativo e bem fundamentado! Digno de uma revista científica, hein?

    Parabéns aos autores é à Dra. Araújo!

    ResponderExcluir
  22. Muito bem fundamentado e elucidativo o artigo! Digno de ser publicado em uma revista científica.
    Parabéns aos autores e à Dra. Araújo pelo trabalho!

    ResponderExcluir
  23. Ótimo trabalho. Muito bem explicado de fácil entendimento.

    ResponderExcluir
  24. Viviani Teles da Silva26 de novembro de 2017 10:59

    Parabéns pelo trabalho, muito interessante a comparação. Em pacientes com dor neuropática degenerativas ocasionada por lesão de nervos, esses tratamento de estímulo elétrico proporciona um conforto muito bom para o paciente. Adorei! Hoje a cada 10 brasileiros sofre com algum tipo de dor, as pessoas recorre sempre ao tratamento medicamentoso e desconhece esse tipo de tratamento. É uma forma conscientizar a população a procurar outras formas de tratamentos.

    ResponderExcluir
  25. Muito bom esse trabalho! Achei muito interessante o tema, tenho interesse de saber mais.

    ResponderExcluir
  26. Parabéns, muito elucidativo este trabalho. É difícil você ir em uma clínica de Fisioterapia e não encontrar um aparelho de eletroterapia. Alguns mais simples, outros mais sofisticados, mas sempre tem. Esse tipo de terapia é um grande aliado do profissional e, claro, do paciente. Já precisei deste tipo de aplicação e o resultado foi excelente. O bom desse trabalho, é que para as pessoas com pouco ou nenhum conhecimento sobre o assunto desperta o interesse de buscar mais informações. Mais uma vez, parabéns!

    ResponderExcluir
  27. Nossa que incrível! Tenho interesse em saber mais! Vcs estão de parabéns!

    ResponderExcluir

Deixe seu cometário aqui.