quinta-feira, 18 de junho de 2020

sexta-feira, 5 de junho de 2020

TERAPIA POR ONDAS DE CHOQUE

As ondas de choque (OC) foram inicialmente utilizadas na medicina para fragmentação de cálculos renais em 1980 e posteriormente passaram a ser usadas no tratamento de doenças musculoesqueléticas. O uso das ondas de choque aplicadas ao sistema músculo esquelético no Brasil se iniciou em 1998 com a chegada das primeiras máquinas de litotripsia urológica, que foram adaptadas para o uso em lesões ortopédicas. Essa adaptação consistiu na introdução¸ão de uma nova tecnologia que permitiu graduar a profundidade e a força com que as ondas de choque penetram no corpo humano.
Achou legal? Corre aqui para saber mais sobre essa terapia, os alunos do 4º período de Fisioterapia da Puc Minas, na matéria de Recursos Terapêuticos Físicos, elaboraram um vídeo explicativo e objetivo para que você conheça mais sobre essa técnica!


quarta-feira, 3 de junho de 2020

REDES NEURAIS

Nosso cérebro é formado por bilhões de neurônios. Mas eles não estão isolados. Pelo contrário, existem centenas de bilhões de conexões entre eles, formando uma enorme rede de comunicação, a rede neural. Ficou curioso? Então assistam o vídeo produzido pelos alunos do 4º período de fisioterapia na matéria de recursos terapêuticos físicos e fiquem por dentro dessa explicação de forma dinâmica e divertida!



quarta-feira, 20 de maio de 2020

EQUOTERAPIA


VOCÊ SABE O QUE É EQUOTERAPIA?

A equoterapia é um processo terapêutico e educacional que utiliza o cavalo com a finalidade de proporcionar ganhos físicos e psíquicos para pessoas com necessidades especiais. (WICKERT, 1995; ANDE-BRASIL; 2011).
Os alunos do 4º período fizeram um vídeo na matéria de recursos terapêutico físicos muito legal explicando mais sobre a equoterapia. Assistam o vídeo abaixo e convidem quem vocês também acham que iriam gostar do tema.





sábado, 16 de novembro de 2019

Neuromodulação Elétrica


Hoje viemos falar sobre NEUROMODULAÇÃO! Se você não conhece e tem curiosidade em saber sobre esse assunto, confira no vídeo abaixo : o que é, como usar e 5 aplicações fisioterapêuticas!


O que é neuromodulação?

A neuromodulação consiste em estimular com eletricidade baixa uma região do cérebro ou de uma raiz nervosa periférica de maneira não invasiva ou invasiva para proporcionar benefícios num curto espaço de tempo (Kidgell e colaboradores, 2013).

Como usar?

A neuroestimulação pode ser usada por dois tipos de métodos, sendo:

 Invasivo, o qual é realizado pelo médico, uma vez que, requer necessidade de cirurgia para o implante do eletrodo na área a ser estimulada, utilização de anestesia, por tanto o paciente fica inconsciente. Com esse método é possível realizar a Eletroconvulso Terapia.

 Não invasivo, já era utilizado desde o século XVIII, quando o físico italiano Luigi Galvani, realizou diversos estudos com eletricidade. Usa-se eletrodos para estimular a área, seja por via transcutânea ou transcraniana. É um método no qual o paciente encontra-se consciente e após a aplicação pode voltar normalmente às suas atividades, por isso, é muito usado, além do mais pode ser aplicado por outros profissionais, inclusive o fisioterapeuta. Com essse método é possível realizar a Estimulação Transcraniana com Corrente Contínua( ETCC), Estimulação Magnética Transcraniana (EMT) e Estimulação Elétrica Periférica.

Objetivos
É um processo que influencia a sinapse neuronal para deixando-a mais rápida e eficiente. Esse efeito é realizado pelos neuromoduladores, que são substâncias liberadas nas fendas pré-sinápticas e que atuam em receptores pós-sinápticos, porém gerando efeitos mais lentos e discretos do que aqueles gerados pelos neurotransmissores. Os neuromoduladores ligam-se a receptores pós-sinápticos e eram uma cascata de reações enzimáticas diversas na célula, que tem efeitos a longo prazo e de amplo espectro. Os efeitos da neuromodulação podem causar modificações no metabolismo do neurônio, influenciando o processo sináptico gerado pelos neurotransmissores.

Principais aplicações fisioterápicas:

 Redução ou cura do acidente vascular cerebral (Santos e colaboradores, 2013).
 Melhora dos transtornos da depressão (Moffa e colaboradores, 2014).
 Finaliza com a dependência de drogas e/ou do álcool (Jansen e colaboradores, 2013).
 Diminui as dores crônicas (Fregni e colaboradores, 2006).
 Trata da fibromialgia (Fregni e colaboradores, 2006b).
 Melhora os transtornos causados pelo Parkinson (Boggio e colaboradores, 2006) e pelo Alzheimer (Nardone e colaboradores,
 2012).
 Diminui o apetite de pessoas obesas (Montenegro e colaboradores, 2012), melhora o estado psicológico de pessoas impulsivas (Beeli e colaboradores, 2008).

 Otimiza o funcionamento da memória de trabalho (Zaehle e colaboradores, 2011) e outros.

Efeitos adversos da ETCC:

A ETCC pode causar efeitos adversos, mas nenhum desses incômodos ocasiona dano no cérebro, os mais comuns são os seguintes (Bikson, Datta, e Elwassif, 2009; Brunoni e colaboradores, 2011; Brunoni, Ponheiro e Boggio, 2012; Caumo, 2012):
 Desconforto, podendo ser reduzido se a esponja do eletrodo estiver com soro fisiológico com concentração entre 15 a 40 mM;
 Cefaleia;
 Vertigem;
 Náusea;
 Irritação na pele;
 Coceira;
 Formigamento
 Queimação da pele.

Contraindicações:
 Pacientes que fazem uso de anticoagulantes ou com distúrbios de coagulação;
 Pacientes com infecção ativa da provável área cirúrgica;
 Pacientes com marcapassos cardíacos;
 Gestação.

REFERÊNCIAS:

SILVA,Karini Cavalcanti da.Técnicas de neuromodulação no tratamento de pacientes com acúfenos crônicos e déficit auditivo. 2013. Disponível em> http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/15247/1/2013_KariniCavalcantidaSilva.pdf<.

MACHADO, Sergio ET al. Estimulação magnética transcraniana: aplicações na reabilitação de Acidente Vascular Cerebral. 341 Rev .Neurociência 2011;19(2):339-348.

MULLER,ET AL. O que é estimulação magnética transcraniana? Revista Brasileira de Neurologia. 49(1):20-31, 2013.

Fischer-Sgrott.et AL.Qualidade de vida de mulheres com bexiga hiperativa refratária tratadas com estimulação elétrica do nervo tibial posterior. Rev Bras Fisioter. 2009;13(6):480-6.

TOMASI, Andrelise Viana Rosa . ET AL. O uso da eletroestimulação no nervo tibial posterior no tratamento da incontinência urinária. Revista de enfermagem UERJ, Rio de Janeiro, 2014 set/out; 22(5):597-602.