segunda-feira, 19 de agosto de 2019


Sejam Bem Vindos ao 2° Semestre de 2019!


Estamos de volta, empolgados e ansiosos para mais essa etapa.

Depois de um bom período de descanso, é hora de colocar a mão na massa novamente, sem preguicinha haha

Em breve estaremos compartilhando os conteúdos desenvolvidos pelos acadêmicos do 4° período do curso de Fisioterapia PUC Minas, sob orientação e supervisão da Profª Drª Angélica Araújo.

Estejam à vontade para tirarem dúvidas e darem sugestões sobre os Recursos Terapêuticos Físicos

Repleto de novidades, esse semestre promete!

Vocês estão prontos?! Fiquem ligados, já já estamos de volta.

Um ótimo semestre para todos nós, contamos com vocês \o/


Ah! Siga-nos no instagram @recursosterapeuticosfisicos, estaremos sempre por lá.

quinta-feira, 13 de junho de 2019

sábado, 8 de junho de 2019

Influência da termoterapia local para ganho de flexibilidade dos músculos isquiotibiais

Como intervenções de crioterapia e diatermia agem sobre a flexibilidade dos músculos isquiotibiais:

Neste post falaremos sobre o trabalho desenvolvido por Andrade Filho et. al. ano 2016, que avaliaram a influência do aquecimento e do resfriamento tecidual sobre a flexibilidade muscular. A referencia do artigo completo encontra-se ao final do post.


A flexibilidade é habilidade de um músculo alongar-se, permitindo que uma ou mais articulações se movam através da sua amplitude de movimento. Segundo Knight (2000) essa técnica é “Todo e qualquer uso de gelo ou aplicações frias para fins terapêuticos.”; contudo Brisotti (2006) diz que o frio é recurso analgesico, que diminui a velocidade condução nervosa, reduz edemas, hiperemias  e no músculo reduz espasmos musculares e o aquecimento ou diatermia ocasiona vasodilatação, aumento do metabolismo, alívio de dor,  relaxamento muscular.



Artigo
Metodologia do estudo

Neste artigo foram selecionados 40 indivíduos sendo
-12 homens e 28 mulheres;
-Todos graduandos;
-Saudáveis;
-Sem nenhuma patologia musculoesquelética em membros inferiores ;
-Sem uso de medicação. 
Todos os indivíduos assinaram o termo de consentimento para essa pesquisa.

Primeiramente avaliaram o ângulo extensor inferior do joelho dominante de cada indivíduo em decúbito dorsal com o quadril a 90º, em cima de uma prancha ajustável como na figura 1.
Cada medida foi repetida 3 vezes consecutivas, logo após os 40 foram divididos em grupos, sendo que cada um seria dividido para cada tipo de intervenção:
1. Grupo 1: controle;
2. Grupo 2: alongamento dos músculos isquiotibiais 
3. Grupo 3: alongamento dos músculos isquiotibiais associado ao gelo por 25 minutos;
4. Grupo 4: alongamento dos músculos isquiotibiais associado ao aquecimento - ondas curtas por 25 minutos.


 Não houve qualquer exercício de aquecimento, resfriamento ou manobra de alongamento antes das avaliações a fim de minimizar os efeitos da temperatura tecidual.  Os indivíduos foram orientados a não realizarem exercício físico além das propostas pelos estudiosos.




Resultados:

Avaliando os efeitos agudos, os estudos  mostraram que nos 3 grupos (2,3,4) tratados houve aumento significativo da ADM, comparando com os efeitos anteriores. Levando a compreender que o alongamento produz maior ganho de flexibilidade dos músculos isquiotibiais. E houve diferenciações significativas entre cada grupo sobre o ganho de ADM no grupo 3 (alongamento associado à crioterapia) quando comparado com o grupo 2(alongamento do músculo isquiotibial) e 4 (alongamento associado ao ondas curtas), sendo que, estes grupos não atingiram o nível de grande significância.
Já o grupo controle mostrou ao final do tratamento aumento da ADM do joelho comparado os 3 grupos (2,3,4) experimentais como grupo controle, se afirmando os efeitos das manobras para o aumento da flexibilidade. Levando a crer que independente das aplicações ocorreria o aumento da flexibilidade do músculo.

Conclusão:

Os pesquisadores acreditavam que com a aplicação da crioterapia e diatermia na região dos músculos isquiotibiais teria maior ganho de flexibilidade independente se fosse no efeito agudo ou crônico e que no grupo controle não teria um ganho.
Mas como tudo pode ser controverso os pesquisadores analisaram que as sessões de alongamento diário foram mais efetivas e que o efeito agudo foi maior que o grupo crônico  submetido ao resfriamento, mediante comparação com os grupos de alongamento e aquecimento. E os efeitos crônicos não foram influenciados pelo aquecimento ou pelo resfriamento.


A seguir, um caça-palavras para você se divertir sobre o tema:


Referências: 
ANDRADE FILHO, Jósé Herivelton, et al.; A INFLUÊNCIA DA TERMOTERAPIA NO GANHO DE FLEXIBILIDADE DOS MÚSCULOS ISQUIOTIBIAIS; Rev Bras Med Esporte, vol.22, n.3, pp.227-230. 2016.


sexta-feira, 31 de maio de 2019

Efeitos das Correntes Diadinâmicas sobre a nociceptividade e edema no trauma tendíneo

No post de hoje falaremos sobre o efeito da corrente diadinâmica sobre a nociceptividade e edema no trauma tendíneo, onde os alunos do 4° período de Fisioterapia reproduziram o estudo de Cascavel, et. al., de 2004, intitulado  "Uso de Correntes Diadinâmicas de Bernard na Redução de Edema em Lesões Traumáticas Agudas Induzidas em Ratos." 


quarta-feira, 29 de maio de 2019