quinta-feira, 13 de junho de 2019

sábado, 8 de junho de 2019

Influência da termoterapia local para ganho de flexibilidade dos músculos isquiotibiais

Como intervenções de crioterapia e diatermia agem sobre a flexibilidade dos músculos isquiotibiais:

Neste post falaremos sobre o trabalho desenvolvido por Andrade Filho et. al. ano 2016, que avaliaram a influência do aquecimento e do resfriamento tecidual sobre a flexibilidade muscular. A referencia do artigo completo encontra-se ao final do post.


A flexibilidade é habilidade de um músculo alongar-se, permitindo que uma ou mais articulações se movam através da sua amplitude de movimento. Segundo Knight (2000) essa técnica é “Todo e qualquer uso de gelo ou aplicações frias para fins terapêuticos.”; contudo Brisotti (2006) diz que o frio é recurso analgesico, que diminui a velocidade condução nervosa, reduz edemas, hiperemias  e no músculo reduz espasmos musculares e o aquecimento ou diatermia ocasiona vasodilatação, aumento do metabolismo, alívio de dor,  relaxamento muscular.



Artigo
Metodologia do estudo

Neste artigo foram selecionados 40 indivíduos sendo
-12 homens e 28 mulheres;
-Todos graduandos;
-Saudáveis;
-Sem nenhuma patologia musculoesquelética em membros inferiores ;
-Sem uso de medicação. 
Todos os indivíduos assinaram o termo de consentimento para essa pesquisa.

Primeiramente avaliaram o ângulo extensor inferior do joelho dominante de cada indivíduo em decúbito dorsal com o quadril a 90º, em cima de uma prancha ajustável como na figura 1.
Cada medida foi repetida 3 vezes consecutivas, logo após os 40 foram divididos em grupos, sendo que cada um seria dividido para cada tipo de intervenção:
1. Grupo 1: controle;
2. Grupo 2: alongamento dos músculos isquiotibiais 
3. Grupo 3: alongamento dos músculos isquiotibiais associado ao gelo por 25 minutos;
4. Grupo 4: alongamento dos músculos isquiotibiais associado ao aquecimento - ondas curtas por 25 minutos.


 Não houve qualquer exercício de aquecimento, resfriamento ou manobra de alongamento antes das avaliações a fim de minimizar os efeitos da temperatura tecidual.  Os indivíduos foram orientados a não realizarem exercício físico além das propostas pelos estudiosos.




Resultados:

Avaliando os efeitos agudos, os estudos  mostraram que nos 3 grupos (2,3,4) tratados houve aumento significativo da ADM, comparando com os efeitos anteriores. Levando a compreender que o alongamento produz maior ganho de flexibilidade dos músculos isquiotibiais. E houve diferenciações significativas entre cada grupo sobre o ganho de ADM no grupo 3 (alongamento associado à crioterapia) quando comparado com o grupo 2(alongamento do músculo isquiotibial) e 4 (alongamento associado ao ondas curtas), sendo que, estes grupos não atingiram o nível de grande significância.
Já o grupo controle mostrou ao final do tratamento aumento da ADM do joelho comparado os 3 grupos (2,3,4) experimentais como grupo controle, se afirmando os efeitos das manobras para o aumento da flexibilidade. Levando a crer que independente das aplicações ocorreria o aumento da flexibilidade do músculo.

Conclusão:

Os pesquisadores acreditavam que com a aplicação da crioterapia e diatermia na região dos músculos isquiotibiais teria maior ganho de flexibilidade independente se fosse no efeito agudo ou crônico e que no grupo controle não teria um ganho.
Mas como tudo pode ser controverso os pesquisadores analisaram que as sessões de alongamento diário foram mais efetivas e que o efeito agudo foi maior que o grupo crônico  submetido ao resfriamento, mediante comparação com os grupos de alongamento e aquecimento. E os efeitos crônicos não foram influenciados pelo aquecimento ou pelo resfriamento.


A seguir, um caça-palavras para você se divertir sobre o tema:


Referências: 
ANDRADE FILHO, Jósé Herivelton, et al.; A INFLUÊNCIA DA TERMOTERAPIA NO GANHO DE FLEXIBILIDADE DOS MÚSCULOS ISQUIOTIBIAIS; Rev Bras Med Esporte, vol.22, n.3, pp.227-230. 2016.


sexta-feira, 31 de maio de 2019

Efeitos das Correntes Diadinâmicas sobre a nociceptividade e edema no trauma tendíneo

No post de hoje falaremos sobre o efeito da corrente diadinâmica sobre a nociceptividade e edema no trauma tendíneo, onde os alunos do 4° período de Fisioterapia reproduziram o estudo de Cascavel, et. al., de 2004, intitulado  "Uso de Correntes Diadinâmicas de Bernard na Redução de Edema em Lesões Traumáticas Agudas Induzidas em Ratos." 


quarta-feira, 29 de maio de 2019

segunda-feira, 27 de maio de 2019