segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Eletroterapia em cicatrização de feridas - Parte II


HIGH VOLT (Corrente Pulsada de Alta Voltagem)

É uma corrente pulsada, monofásica, unidirecional, de baixa frequência (0 a 200 Hz), que tem como principal objetivo promover cicatrização de feridas.
Apresenta uma duração de pulso bem curta (5 a 20 µs) e uma amplitude alta, de 2.000 a 2.500 mA. Sendo assim, é considerada menos perigosa quando comparada a outras correntes polarizadas. É capaz de estimular fibras sensoriais, motoras e nociceptivas, porém, para cicatrização, deve-se usar o limiar sensorial.
A corrente é aplicada através de eletrodos podendo-se usar a técnica monopolar ou bipolar.
Primeiramente, deve-se utilizar a polaridade negativa para promoção do efeito antimicrobiano na ferida durante um tempo de aprox. 15 a 30min. Após essa aplicação, inverte-se a corrente modulando o tempo de aplicação (30 a 60min).








 Contra-indicações:

Aplicações de altas intensidades em locais próximos ao coração, aplicação direta sobre o seio carotídeo, sobre processos infecciosos, em pacientes incapazes de fornecer um feedback sensitivo, sobre útero gravídico, pacientes portadores  de trombroflebite, portadores de marca- passo e próteses metálicas.



Laser   X   Corrente Pulsada de Alta Voltagem

Após as especificações de cada um dos recursos (Laser e EEVA), pode-se concluir que o melhor a ser usado para auxiliar o processo de cicatrização tecidual, só pode ser determinado após a avaliação de cada caso. Deve-se, portanto, levar em consideração as contraindicações de cada um, o tipo de lesão, a fase de cicatrização que o tecido se encontra, a profundidade da lesão e os parâmetros que cada aparelho irá oferecer para aplicação do recurso. 

10 comentários:

  1. A corrente High Volt, o fisioterapeuta pode colocar o eletrodo em cima da ferida aberta, profunda e que esteja sem infecções? Como o mostrado pela matéria temos o Laser também, mas se na clínica só tivermos a corrente High Volt, poderia utiliza-la nesse caso?

    ResponderExcluir
  2. Incrível o resultado na cicatrização!! Janaina Kelly 4ª Periodo

    ResponderExcluir
  3. Na área precordial não se deve aplicar recursos físicos em nenhum tipo de intensidade?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Samara- 4º período13 de novembro de 2013 16:22

      De forma alguma Paloma
      A área precordial deve ser preservada desses tipos de recuros, devido ao seu potencial de alterar a frequencia cardiaca. Portanto, não se deve utilizar com nenhum tipo de intensidade

      Excluir
  4. Feridas e outras lesões na pele atrapalham o manejo do paciente nos tratamentos fisioterapêuticos, além de ser desagradável e incômodo para o paciente.
    Ao observarmos a imagem do post, sobre a evolução do tratamento; percebemos que o registro das diversas etapas do tratamento, seja na forma de fotografias ou de dados, é importante para evidenciar a eficácia (ou não) da intervenção e, dessa maneira, contribuir para os estudos acadêmicos e para a prática clínica.
    Phillipe Marques, 4° período de Fisioterapia (PUC Minas).

    ResponderExcluir
  5. Interessante a matéria postada. Destacaram-se qual o melhor recurso para cicatrização de feridas, se é o Laser ou corrente pulsada de alta voltagem.

    ResponderExcluir
  6. Brenda Gonçalves 4º período3 de novembro de 2013 19:22

    Como os eletrodos são colocados em contato com paciente em casos de feridas abertas?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Samara- 4º período11 de novembro de 2013 23:43

      Oii Brenda
      Nestes casos, em cima da ferida, há a colocação de uma gaze (normalmente são banhadas em solução salina). Por cima dessa gaze, é que há a colocação do eletrodo (sem um contato direto mesmo com a ferida). O outro eletrodo é colocado com uma certa distancia.

      Espero ter ajudado

      Excluir
  7. Muito interessante o tema abordado. Os recursos terapêuticos possuem grande eficácia no tratamento para cicatrização de feridas.

    Laryssa Galo - 4° período, Fisioterapia

    ResponderExcluir
  8. Muito interessante o tema,abordando quais recursos terapêuticos seriam mais adequado para o tratamento.
    Ana Carolina de Almeida/4° Período

    ResponderExcluir

Deixe seu cometário aqui.