quarta-feira, 5 de abril de 2017

Mobilidade devolvida por órtese robótica


Robótica é um ramo da tecnologia que engloba mecânica, eletrônica e computação. Envolve sistemas compostos por máquinas e partes mecânicas automáticas controladas por circuitos integrados, tornando sistemas mecânicos motorizados, controlados manualmente ou automaticamente por circuitos elétricos.

 A primeira etapa da integração dos conhecimentos da robótica na área de saúde começou nas salas de cirurgia. Em diversos hospitais, pacientes são operados por máquinas com braços mecânicos. Sob o comando dos médicos, elas permitem movimentos milimétricos e certeiros.

Hoje, com o desenvolvimento tecnológico crescente, a implementação da robótica na área da fisioterapia tornou-se uma realidade. Através da robótica é possível o desenvolvimento e/ou o aprimoramento de sistemas biológicos comprometidos o que, por consequência, auxilia na recuperação da funcionalidade do indivíduo. Os ´´robos´´ são usados principalmente na reabilitação de pessoas que perderam movimentos de braços e pernas por causa de lesões cerebrais derivadas de traumas ou de distúrbios neurológicos.

Figura 1: Exoesqueleto: abertura da copa 2014 (disponível em: http://descobertadigital.com.br/exoesqueleto-abertura-da-copa/)

No quadro abaixo estão alguns exemplos da robótica na área da reabilitação: 






Dotados de sofisticados programas de computação e sensores, os dispositivos robóticos podem detectar quando o paciente está se movimentando de forma incorreta e reorientar o gesto. Desse modo, o corpo reaprende a forma certa de processar os impulsos elétricos que mobilizam músculos, ligamentos e tendões para executar um movimento. Assim, o tratamento fica mais potente!

Figura 2 – Com perna biônica, jovem consegue até esquiar (disponível em: https://lazarolamberth.wordpress.com/tag/perna-mecanica-mais-avancada-do-mundo/) 

Abaixo segue
uma entrevista que realizamos com a Terapeuta Ocupacional Fernanda Ferreira, mestranda em Engenharia Mecânica na UFMG, que vem desenvolvendo um projeto de pesquisa sobre ´´Órtese Robótica para Membro Superior´´. O aparelho (figura 3), cuja principal finalidade é restaurar movimentos da mão e do cotovelo, começou a ser desenvolvido em 2005 pela equipe do Laboratório de Bioengenharia (Labbio) da UFMG e foi testado em pacientes vítimas acidente vascular encefálico (AVE). 

Figura 3 - Órtese Robótica para Membro Superior em desenvolvimento pela equipe do Labbio UFMG (disponível em: https://www.ufmg.br/online/arquivos/044851.shtml)


Entrevista realizada:

1) Como funciona a Órtese Robótica de membro superior?

"O método de acionamento da órtese robótica é por meio de atuador elétrico de corrente contínua. O sistema de controle é arduino nano com módulo bluetooth através de smartphone ou tablet, ou seja, ela é controlada por meio de um aplicativo de celular. Ela é acionada passivamente por meio de um motor, gerando movimento."


2) Qual foi o objetivo ao desenvolver o equipamento?

"O objetivo é que ele fosse leve, resistente e de baixo custo, além de facilmente transportável e com capacidade para melhorar a execução das atividades cotidianas dos pacientes."

3) Quais as vantagens da Terapia Assistida por Robô?

"Além de promover o retorno motor, possibilita realizar tarefas específicas repetidas vezes, de forma controlada, confiável e independente, o que gera um aumento da habilidade motora e melhora de desempenho. Os dispositivos robóticos também são capazes de fornecer informações quantitativas (velocidade, tempo, direção, força, ADM, etc.), o que facilita medir o progresso do paciente, com maior precisão e confiabilidade. Além disso, permite que o fisioterapeuta programe um protocolo de reabilitação para que o paciente execute várias sessões por dia, fazendo uma utilização melhor do tempo. Mas é importante salientar, que isso não substitui a interação entre paciente e terapeuta."


4) E quais são as desvantagens?

"A maior desvantagem é o alto custo. Os dispositivos robóticos são importados, dificultando à adesão no Brasil. Além disso, possuem e Estética não favorável, pois são volumosos, robustos e pesados. Promovem melhora na função motora, sem consequente impacto funcional, pois a reabilitação simultânea é considerada primordial para recuperar a função."


Com base na literatura pesquisada e entrevista realizada podemos concluir que a fisioterapia robótica esta em continua fase de estudos e pesquisas por ser uma alternativa inovadora e estimulante tanto para o terapeuta quanto para o paciente. Porém, os sistemas robóticos não substituem o tratamento fisioterapêutico, devendo sempre ser associados à reabilitação e adequados à realidade de cada paciente no programa terapêutico.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

ANDREW, P. et AL. Towards more effective robotic gait training for stroke rehabilitation: a review. Neuroeng Rehabil, v.09, 2012. Disponível em <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3481425/>. Acesso em 28 mar. 2017.

HUSSEIN A, A. et AL.  Results of Clinicians Using a Therapeutic Robotic System in an Inpatient Stroke Rehabilitation Unit.  J Neuroeng Rehabil, v.08, 2011. Disponível em  <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3182973/>. Acesso em 28 mar. 2017.


ARAUJO, M.V.; Desenvolvimento de Uma Órtese Ativa Para os Membros Inferiores Com Sistema Eletrônico Embarcado. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica e Computação da UFRNfev., 2010. Disponível em <http://www.dca.ufrn.br/~acari/Disserta%E7%E3o%20de%20Mestrado/Disserta%E7%E3o%20-%20Marcio.pdf>. Acesso em 01 de abril de 2017.

DARAYA, V.; Tudo que você precisa saber sobre o exoesqueleto que fará um paraplégico dar o chute inicial da Copa. Exame.com, 11 jun. 2014. Disponível em <http:// exame.abril.com.br/ciencia/tudo-que-voce-precisa-saber-sobre-o-exoesqueleto-que-fara-um-paraplegico-dar-o-chute-inicial-da-copa/amp/>. Acesso em 01 de abril de 2017.

DOMINGUES I. G.; OLIVEIRA R. F.; MARTINS E. A.; Robótica aplicada a motor de passo com utilização de arduíno. 5 Jornada Científica e Tecnológica da FATEC de Botucatu 24 a 27 de Outubro de 2016, Botucatu – São Paulo, Brasil. Disponível em &lt; http://www.fatecbt.edu.br/ocs/index.php/VJTC/VJTC/paper/viewFile/866/894&gt;. Acesso em 30 de mar. de 2017.


12 comentários:

  1. Muito bom ! Essas informações vão ajudar muito quem está começando na área ! Obrigado

    ResponderExcluir
  2. Muito bacana!!! Os recursos robóticos vão beneficiar muuita gente! Está cada vez mais presente na área da saúde!!

    ResponderExcluir
  3. Poxa curti demais a matéria, informações interessante!! Ótima!

    ResponderExcluir
  4. Que interessante essas informações são fundamentais e úteis para o profissional da área, até mesmo pra quem já esta no ramo, serve como uma boa atualização. Parabéns!!

    ResponderExcluir
  5. Muito interessante !!

    ResponderExcluir
  6. Mais um avanço da tecnologia unidos aos recursos terapêuticos que trazem benefícios à sociedade. Bela iniciativa, matéria bem interessante!

    ResponderExcluir
  7. Excelente informação, que atualiza e complementa a reabilitação funcional na saúde. O mais interessante desse texto não é apenas recuperar o movimento perdido ou limitado, mas o grande benefício que isso acarreta: a funcionalidade restabelecida. Trazer de volta a independência em funções básicas como andar, pentear o cabelo, sustentar um objeto, vai além de reabilitação física, mas também psicossocial, pois insere novamente o paciente em sua vida social, melhorando sua qualidade de vida. Excelente atualização para devolver a qualidade de vida em pacientes com limitações funcionais.

    Ex aluno da Professora Angélica, agora companheiro de profissão.

    ResponderExcluir
  8. Que interessante! Eu não sabia que a tecnologia podia atuar de uma forma tão especial assim na fisioterapia devolvendo a mobilidade pras pessoas, isso é muito bonito!

    ResponderExcluir
  9. Muito esclarecedor... as vezes pensamos mais imediatamente em uma substituição de membros (como são as próteses), achei muito interessante a aplicação dessa tecnologia que auxilia o corpo a reaprender certos movimentos, incrível! Cada vez mais descobrimos o mundo da reabilitação e, Como dito pelo colega acima, esta vai muito alem da reabilitação física!
    Ótimo texto! Parabéns pelo blog

    ResponderExcluir
  10. Primeiramente parabéns a equipe pelo excelente trabalho!
    A aplicação da robótica na fisioterapia é uma nova vertente tecnológica muito promissora por ter ser valor centrado no ser humano. Além de quantificar de forma precisa o diagnóstico de avanço dos pacientes (pela avaliação de velocidade, tempo, força, direção,...), a robótica é capaz de tornar o processo de recuperação mais eficiente (uma recuperação mais rápida por exemplo) e eficaz (como no caso da restauração de movimentos de um tetraplégico por meio de um exoesqueleto na Copa de 2014).
    Ainda há um caminho a ser trilhado para que essa aplicação esteja nos consultórios de fisioterapia, mas é certo que esse momento virá e quem estiver na avante garde colherá em breve os frutos dessa inovação tecnológica.

    ResponderExcluir
  11. Eu acho incrível o quanto a fisioterapia abrangeu a forma de cuidar de pessoas e de melhorar a qualidade de vida! É uma profissão tão bonita! Parabéns ao grupo e parabéns ao blog pelas excelentes informações!

    ResponderExcluir

Deixe seu cometário aqui.