quarta-feira, 8 de abril de 2015

Fatores que Interferem Negativamente no Processo de Reparo Tecidual


O Processo de cicatrização pode ser caracterizado em quatro estágios: lesão inicial, inflamação, proliferação e remodelamento.





Fatores que podem ter impacto negativo no processo de cicatrização

Existem vários fatores que podem influenciar negativamente a cicatrização. Dentre eles os principais fatores locais e sistêmicos são: isquemia, suporte nutricional inadequado, infecção, corpo estranho, problemas na circulação e na formação de colágeno e edema. Dentre os fatores locais, a infecção é a causa mais importante do retardo da cicatrização.
            

Como os Recursos Terapêuticos Físicos podem atuar nesse processo?

Os Recursos Terapêuticos Físicos podem atuar no processo de cicatrização aumentando os fatores de crescimento na epiderme e derme, produzindo uma redução na inflamação pelo suporte vascular aumentado, pela aplicação iontoforética de agentes farmacológicos e pelo controle do edema. Vejamos a seguir alguns recursos físicos que podem auxiliar no processo de cicatrização:


Ultrassom

O ultrassom terapêutico tem um efeito benéfico na cicatrização, pois ele aumenta a difusão do cálcio na membrana celular que por consequência tem um aumento acentuado na produção e liberação de fatores que contribuem para a cicatrização das feridas como, por exemplo, a liberação de histamina dos mastócitos. No estágio proliferativo, o ultrassom pode promover a síntese de colágeno devido o aumento da permeabilidade da membrana. Foi observado o aumento da liberação de fatores de crescimento pelos macrófagos após a exposição ao ultrassom. 



                                                     
                                                       Laser e Led

A Luz Led promove os mesmos efeitos biológicos que a Luz Laser. Os efeitos que mais se destacam no processo de cicatrização é a redução de células inflamatórias, aumento da proliferação dos fibroblastos, aceleração da epitelização das feridas. Ocorre também a estimulação da angiogênese promovendo o aumento do fluxo sanguíneo, formação de tecido de granulação, e aumento da síntese de colágeno e a modulação da dor. Há indícios que o laser estimule a transformação de fibroblastos em miofibroblastos, portanto as feridas irradiadas fechariam mais rápido por causa do aumento da contração promovida pelos miofibroblastos. 






Diatermia por Ondas Curtas

O uso de diatermia por ondas curtas aos mecanismos específicos no processo de cicatrização de feridas inclui aumento no número e na atividade das células na área, redução do edema e da inflamação, reabsorção de hematoma, aumento na taxa de deposição e organização de colágeno e aumento no reparo facilitando a regeneração.






                                                              High Volt (Corrente pulsada de alta Voltagem)
A estimulação Elétrica de Alta Voltagem promove a aceleração do processo cicatricial em úlceras crônicas de diversas etiologias, devido aos seus efeitos significativos na melhora da circulação da região onde e aplicada, quando utilizada no limiar sensorial. Estudos mostram que a polaridade é o parâmetro preponderante da forma de onda a ser considerado na cicatrização. O pólo negativo pode ser utilizado para retardar o crescimento dos microorganismos, tem efeito antimicrobiano, enquanto que o pólo positivo pode ser utilizado para facilitar a migração celular, particularmente na fase de proliferação da cicatrização.

4 comentários:

  1. Excelente texto, conteúdo claro e bem informativo, parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Eu recebi uma Newsletter falando sobre esse post. Parabéns. Gostei muito!

    ResponderExcluir
  3. Quanto aos efeitos do laser, imagino que era de conhecimento público, mas os demais não imaginava, interessante.

    ResponderExcluir
  4. Não sabia que existia recursos para ajudar na cicatrização. Texto bem claro e fácil de entender. Parabéns!!!

    ResponderExcluir

Deixe seu cometário aqui.