quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Uso de Laser de baixa potência para tendinopatias em organismos imunossuprimidos

Os aparelhos de laserterapia atualmente mais conhecidos são o Laser (Light amplificationby simulated of radiation) e o LED (Lght emited diode). Esses recursos físicos utilizam os efeitos da luz de baixa potência para a regulação e normalização da função celular, podendo ter ações inibitórias ou excitatórias. Um exemplo da ação fotobioestimuladora da luz de baixa potência seria o aumento do processo de reparo tecidual, enquanto a ação fotobioinibitória é responsável, dentre outras, pela modulação da dor.
Os efeitos do Laser de baixa potência para o processo de reparo tecidual são amplamente estudados e demonstram um caráter positivo para aumento da proliferação fibroblástica, angiogênese, diminuição dos sintomas pró-inflamatórios e para ações analgésicas. A laserterapia tem a capacidade de regular o metabolismo celular  de diversas formas: Aumenta a taxa respiratória e a produção de ATP, normaliza o potencial da membrana plasmática e estimula a mitose celular. A  luz também pode atuar em processos inflamatórios,  modulando a liberação de prostaglandina e Beta- endorfinas, aumentando o fluxo sanguíneo local e controlando a dor. Devido a essas propriedades terapêuticas, a fototerapia tem sido utilizada para o tratamento de diversas desregulações e disfunções corporais, dentre elas as tendinopatias agudas (Tendinite) e/ou crônicas (Tendinose).
As tendinopatias são doenças que acometem os tendões. Quando ocorre de forma aguda, consequentemente acompanhadas de processo inflamatório, são chamadas de tendinites. Quando ocorrem microlesões teciduais frequentes, podemos ter uma degeneração crônica chamada de Tendinose. O uso do Laser para  tratamento de traumas  do tendão calcanear é bastante conhecido no universo terapêutico. No entanto, não se tem muitos estudos que avaliam o desempenho do Laser de baixa potência em pessoas imunossuprimidas. É de conhecimento acadêmico os diversos efeitos negativos da imunossupressão no organismo. No entanto, não se sabe ao certo se a imunossupressão pode interferir  no tratamento fototerápico de tendiopatias.
Fernanda.O.B, et al (Fisioterapia e Pesquisa, São Paulo, dov.18, n.4, p. 335-40, out/dez. 2011) , desenvolveu um estudo sobre o uso de Laser de baixa potência em ratos imunossuprimidos com trauma do tendão calcanear, para modulação da dor. Para tanto,os animais foram imunodeprimidos através do tratamento medicamentoso com Ciclosporina A durante 5 dias pré-trauma, com uma dose de 10 mg/Kg. O aparelho utilizado para a laserterapia foi da marca IBRAMED, modulado nos seguintes parâmetros:
comprimento de onda: de 670 nm
Dose: 2 J/cm²
 Potência: 30 mW
Técnica: Pontual, com contato
Emissão: Contínua
Duração: 4 segundos

Foram feitas no total 3 aplicações : Uma no momento da avaliação pós-lesão, uma depois de 24 horas e outra depois de 48 horas. Ao final do tratamento, foi observado que mesmo em organismos imunodeficientes, o Laser de baixa potência, modulado nos parâmetros acima, ainda possui efeito analgésico satisfatório. No entanto, é necessário ainda o desenvolvimento de estudos que correlacionem o efeito analgésico do laser em organismos imunossuprimidos, com alterações químicas e histológicas ocorridas no tecido.   
 Tendão do calcâneo, local de lesão da tendinite/Tendinose


Para saber mais sobre o presente estudo, abaixo se encontra o nome do artigo e autores:
''Análise da eficácia do laser de baixa potência no tratamento da dor tendínea em ratos imunossuprimidos''
Fernanda de Oliveira Busarello, Elisângela Lourdes Artifon, Eduardo Alexandre Loth, Gladson Ricardo Flor Bertolini (Fisioterapia e Pesquisa, São Paulo, v.18, n.4, p. 335-40, out/dez. 2011)

Referências Bibliográficas:
-''Análise da eficácia do laser de baixa potência no tratamento da dor tendínea em ratos imunossuprimidos'' - Fernanda de Oliveira Busarello, Elisângela Lourdes Artifon, Eduardo Alexandre Loth, Gladson Ricardo Flor Bertolini (Fisioterapia e Pesquisa, São Paulo, v.18, n.4, p. 335-40, out/dez. 2011)

11 comentários:

  1. Ana Flávia Diniz Sousa - 4° periodo1 de novembro de 2013 14:34

    Gostei muito, ficou super bem explicado, da para entender perfeitamente o assunto em questão, no caso o uso do laser de baixa potencia para tendinopatias em organismos imunossuprimidos.

    ResponderExcluir
  2. O post foi esclarecedor quanto aos principais efeitos fisiológicos promovidos pelo laser nos tecidos biológicos.
    No post, é dito que “[...] não se sabe ao certo se a imunossupressão pode interferir no tratamento fototerápico de tendiopatias”; no entanto gostaria de saber quais são as principais indagações dos pesquisadores a cerca da relação existente entre os efeitos fisiológicos promovidos pelo laser de baixa potência e a imunossupressão de um indivíduo.
    Phillipe Marques, 4° período de Fisioterapia (PUC Minas).

    ResponderExcluir
  3. Gostei da matéria. Foi relatado que a analgésia foi satisfatória, mas por quanto tempo?
    Keila 4° período

    ResponderExcluir
  4. Izabela Santos Azevedo3 de novembro de 2013 14:41

    Gostei muito do tema abordado, parabéns !
    Izabela Azevedo- 4° Período

    ResponderExcluir
  5. Eduarda Bueno Dornellas5 de novembro de 2013 18:25

    Assunto bastante interessante. Ótimo trabalho

    EDUARDA BUENO DORNELLAS - 4º PERIODO

    ResponderExcluir
  6. Quais são os processos que dificultariam e/ou impediriam o tratamento em tendinopatias com utilização de lazer?

    ResponderExcluir
  7. O lazer é um recurso que auxilia em vários tipos de tratamento e quando usado da maneira correta, tomando-se todas as precauções, oferece excelentes resultados.
    Luísa Farias

    ResponderExcluir
  8. É bem legal saber outras indicações do laser, tendo em vista que muitas pessoas pensam que o laser é mais comum em procedimentos médicos como cirurgias .
    Gabriela Gonçalves ,4° Período, Fisioterapia

    ResponderExcluir
  9. Muito interessante o tratamento de Tendinopatias utilizando Laser.
    Ana Carolina de Almeida/ 4° Período

    ResponderExcluir
  10. Muito interessante o estudo e as referências bibliográficas apresentadas são valiosas para o desdobramento de questionamentos e conhecimentos agregados.
    Luísa Nassif Silva/ 4° período -fisioterapia

    ResponderExcluir
  11. Gostei muito, e foi importante terem disponibilizado o artigo para consulta. Gostaria de saber sobre efeitos em um músculo após fadiga muscular? e seria capaz de melhorar o desempenho dessa musculatura antes de uma intervenção eletroterápica? para ganho de força.

    Michelle Araújo 4º fisio.

    ResponderExcluir

Deixe seu cometário aqui.